Portal JC.com - Um Jeito Novo de Informar e Divulgar

Widgets

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 3.8/5 (33021 votos)


ONLINE
1








Total de visitas: 2018055

Vigília Pascal - Paroquia São José

Vigília Pascal - Paroquia São José

 logo

VIGÍLIA PASCAL – PARÓQUIA SÃO JOSÉ

PADRE ARTUR CRISTOVÃO SEHN

 Foto

Foi celebrada na noite do último sábado (26) a celebração da Vigília Pascal na Paróquia São José. O Sábado Santo ou Sábado de Aleluia, é marcado com a celebração mais importante do calendário católico, a Vigília Pascal, momento em que é lembrada a vitória de Jesus Cristo sobre a morte.

O ato litúrgico iniciou às 20h30min  com a bênção do fogo na entrada da Igreja Matriz. Logo em seguida todos os presentes entraram  em procissão com o Círio Pascal na Igreja. Ao entrar foi proclamada a Páscoa pelo padre Artur Cristovão Sehn, invocando com alegria a vitória de Cristo sobre a escuridão da morte e do pecado.

Dando continuidade a  Vigília, aconteceu a Liturgia da Palavra, com a proclamação de leituras do Primeiro Testamento, as quais nos lembram as maravilhas de Deus na história da salvação e duas leituras do Segundo Testamento, tendo em vista o anúncio da Ressurreição e a leitura de Paulo aos Romanos sobre o Batismo Cristão como Sacramento da Ressurreição de Cristo.

Nesta noite, foram renovadas as promessas batismais e por fim, aconteceu a Celebração Eucarística, sinal primordial da presença de Cristo Ressuscitado na comunhão. O Crucificado ressuscitou e passou a ser uma presença sacramental viva no meio da comunidade celebrante. Por isso, A Eucaristia é o memorial da Páscoa de Cristo e antecipação daquela do Céu.

  

CONFIRA MAIS FOTOS EM NOSSO FACEBOOK

 

SOLENE VIGÍLIA PASCAL

“Exulte o céu, e os Anjos triunfantes,

Mensageiros de Deus, desçam cantando;

Façam soar trombetas fulgurantes,

A vitória de um Rei anunciando.”

(Precônio Pascal)

Foto 

Reunimos-nos em nossas igrejas para celebrar esta noite de luz. Os antigos cristãos

tinham o costume de celebrar cada Eucaristia em forma de vigília e o grande Santo Agostinho dizia que esta era a “mãe de todas as vigílias”, a mais solene, porque nela nós celebramos a Ressurreição do Senhor Nosso Jesus Cristo. Esta é uma noite de luz, uma noite de alegria, porque a graça venceu o pecado, o amor venceu o ódio, a luz venceu nas trevas e a Vida venceu a morte que outrora triunfava sobre os homens.

Poderíamos começar refletindo a respeito do sentido dos sinais que compõem esta Vigília. Ela começa com a bênção do fogo e com o lucernário. Nossa Igreja estava até então escura, como estava escura a humanidade antes que o Cristo Ressurgisse dos mortos. Nós, do lado de fora do Templo, estávamos também envolvidos em trevas, como os homens, antes que Cristo ressuscitasse dos mortos, estavam nas trevas e privados de entrarem no Reino dos Céus. Então um fogo novo surgiu, um fogo abençoado, no qual foi aceso nosso Círio Pascal, que este ano traz gravado em si a Cruz como árvore da vida. O Círio Pascal aceso simboliza a coluna de fogo que guiava Israel.

No livro do Êxodo está escrito que quando Israel estava fugindo dos egípcios Deus colocou à frente deles uma coluna de fogo e a noite se tornou como o dia. Atrás dos israelitas estava uma coluna de fumaça que tapava a visão dos egípcios. Assim como o povo de Israel foi guiado pela coluna de fogo, nós também entramos na Igreja tendo à nossa frente a coluna de fogo.

Esta coluna de fogo é símbolo de Cristo, “luz do mundo” (cf. Jo 8,12). Ele vai à nossa frente, conduzindo nossos passos, e nós o seguimos porque sabemos que Ele nos guia no caminho da vida. Quando o diácono chegou no meio da Igreja, nós acendemos nossas velas no círio, a fim de que Cristo ilumine a vida de cada um de nós com a sua luz, para que não andemos mais nas trevas, mas tenhamos “a luz da vida” (cf. Jo 8,12).

Depois ouvimos o belo hino pascal, o Exultet, que canta a alegria da Ressurreição. Nós o ouvimos de pé e com nossas velas acesas. Estávamos de pé, como o Cristo Ressuscitado. Estávamos com nossas velas acesas, porque no Batismo nós fomos iluminados por Ele e queremos que a sua luz esteja sempre em nós.

Em seguida ouvimos as leituras bíblicas. Começamos pelo relato da criação, passando pela travessia do Mar Vermelho e ouvindo os profetas, Isaías, Baruc e Ezequiel. Até chegarmos, depois no hino do glória, à leitura da Carta aos Romanos, ao anúncio Solene do Aleluia Pascal, ao Salmo 117 e ao coração dessa liturgia da Palavra que é o Evangelho, hoje Mc 16,1-7, o túmulo vazio.

Daqui a pouco vamos acompanhar a liturgia batismal, onde em muitas de nossas Igrejas alguns irmãos recebem os sacramentos da iniciação cristã. No final dessa liturgia batismal todos nós, batizados, renovaremos as promessas do nosso Batismo e seremos aspergidos com a água abençoada, a fim de nos recordamos que também nós renascemos com Cristo da água e do Espírito Santo.

O coroamento de tudo isso se dará na Eucaristia. Nela nós celebramos de maneira sublime o sacrifício de Cristo. Nela nós fazemos memória da morte e da ressurreição gloriosa de nosso Redentor. Nela esse sacrifício de amor se renova e nós que comungamos dessa mesa mística, nós tornamos uma Eucaristia viva e um só Corpo em Cristo Jesus. Quando comungamos, comungamos da sua Ressurreição e da vida plena que só Ele possui.

A Liturgia da Palavra desta noite nos introduz no sentido profundo da Páscoa de Cristo. A primeira leitura nos fala da Criação. Deus, na sua bondade, criou o mundo para nossa alegria e tudo o que Deus fez era bom. Nada havia de mal na criação de Deus e, no início, Deus não criou o mal e a morte, porque Deus criou o mundo para que participássemos de sua alegria. Deus nunca quis lágrimas de dor. Mas, nós sabemos que Deus criou o homem livre, podendo escolher entre fazer o bem ou simplesmente virar as costas para o bem. E o homem, seduzido pela proposta diabólica, se afastou de Deus. Com a desobediência de Adão veio para nós a morte. “O salário do pecado é a morte”, como nos diz a Palavra de Deus (cf. Rm 6,23).

Mas a mesma Palavra de Deus, também na Carta aos Romanos, diz que, por sua vez, “o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus”. Por isso o Pai não ficou de braços cruzados vendo a desgraça cair sobre a humanidade. Desde o início de tudo, o coração da Trindade sofreu com o pecado, e o Filho resolveu que se faria homem, a fim de morrer a nossa morte, para nos dar a vida eterna com Ele. Contudo, era necessário que a vinda de Cristo fosse preparada e, por isso, ela foi prefigurada no Antigo Testamento.

A segunda leitura nos apresenta Abraão posto à prova por Deus que lhe pediu o sacrifício de seu Filho único. Abraão aqui simboliza o próprio Pai do Céu que deveria dar o seu Filho único para que a humanidade fosse salva por Ele. Todavia, Abraão teve Isaac poupado por Deus, mas o próprio Deus, não poupou seu Filho (cf. Jo 3,16), mas permitiu que, por amor de nós, e por sua livre vontade, Ele sofresse para a nossa salvação. A Páscoa de Cristo foi prefigurada na Páscoa dos judeus. Assim como eles atravessaram o Mar Vermelho a cantaram de alegria porque viram os egípcios afogados nas águas do mar, assim também nós cristãos, depois da ressurreição de Cristo, cantamos de alegria, porque atravessamos as águas do Batismo e vemos que o nosso pecado ficou lá e nós saímos vitoriosos, jubilosos, em direção à Terra Prometida, à Jerusalém Celeste que o Senhor preparou para nós.

Através dos profetas, Deus não cessou de convidar os homens à conversão, a fim de que o seu Filho encontrasse os corações preparados para acolherem a sua vinda e, na plenitude dos tempos, Ele veio. Ele nasceu da Virgem, fez-se menino, viveu uma humanidade como a nossa no lar de Nazaré e, na consumação da sua vida, “aprendeu o que significa a obediência por aquilo que Ele sofreu” (cf. Hb 5,8) e entregou-se livremente à morte por nós. Ele ficou firme diante da morte e ressuscitou gloriosamente. As mulheres encontraram apenas o túmulo vazio e o jovem de branco que lhe anunciou a grande boa-nova “Não vos assusteis! Vós procurais Jesus de Nazaré, que foi crucificado? Ele ressuscitou. Não está aqui.” (cf. Mc 16,6)

A Ressurreição de Cristo, que celebramos em cada Eucaristia e que de maneira especial celebramos nesta Páscoa anual é a nossa alegria e a certeza da nossa vitória. Às vezes, pesa sobre nós uma pesada tristeza. Celebramos a cada ano a Páscoa e percebemos que ainda estamos do mesmo modo. Tantas vezes ainda estamos presos aos mesmos pecado. E aí, entra o tentador para tentar nos convencer de que não adianta mais nada. Ele procura nos enganar fazendo-nos pensar que não temos mais jeito.

fOTO

Devemos num poder invisível, que é mais forte que a morte. Assim como todos olhavam o Cristo no túmulo e achavam que não tinha mais jeito, mas Ele ressuscitou, também nós, ainda que estejamos no túmulo do pecado, existe um poder invisível que atua. Cada vez que celebramos a Páscoa, Cristo passa pela nossa vida e a renova. Ao escutar a Palavra ela gera algo novo em nós, como nos dizia a quinta leitura em Is 55,10-11: “Como a chuva e a neve descem do céu e para lá não voltam mais, mas vêm irrigar e fecundar a terra, e fazê-la germinar e dar semente, para o plantio e para a alimentação, assim a palavra que sair de minha boca: não voltará para mim vazia; antes, realizará tudo que for de minha vontade e produzirá os efeitos que pretendi, ao enviá-la.” A Ressurreição de Cristo é esperança, é certeza de que também eu posso ressuscitar dos meus pecados para viver com Ele uma vida nova. E se Ele me dá a cada essa oportunidade, é porque Ele bem sabe que a cada ano eu preciso dela.

Às vezes estamos fechados no túmulo do pecado. E nos perguntamos como aquelas mulheres: “Quem vai remover a pedra para nós?” A pedra é tão pesada! A resposta é Cristo! Ele ergueu a pedra de seu próprio túmulo quando ressuscitou dos mortos e Ele também quer e pode retirar a pedra do nosso túmulo para que possamos sair com Ele ressuscitados para uma vida.

Sejamos portadores dessa certeza da Ressurreição. Sejamos mensageiros dessa boa-nova, como as mulheres que outrora encontraram o túmulo vazio. Sejamos portadores da alegria notícia: “Ele Ressuscitou!” Ele não está mais no sepulcro. Ele agora está vivo e ressuscitado no meio de nós. Quando a morte bater à nossa porta, seja a morte física ou a morte do pecado, tenhamos a alegre certeza de que assim como Ele ressuscitou dos mortos para a glória do Pai, nós também com Ele ressuscitaremos.

Padre Fabio Siqueira

Fonte: http://www.materecclesiae.com.br

 

logo

Pub

 

REVISTA QUINZENAL

Revista Novas Ideias/Maio/2018


 foto   

 

foto


You Tube    Facebook
ACESSE CLICANDO NA IMAGEM

PORTAL JC.COM
A face de Jesus
 
JESUS TE OLHA

TERÇO COM
NOSSA SENHORA AUGUSTA
RAINHA DOS ANJOS
Sua Oração faz milagres

TERÇO DIVINA PROVIDÊNCIA 

 

TERÇO MISTÉRIOS GLORIOSOS 


Novas Ideias Reflexão Receitas do Paraná

 Comportamento Saúde Portal JC 

botão logo Portfólio Novas Ideias

LITURGIA DIÁRIA

CONSULTE PARA FICAR 

SEMPRE INFORMADO



anuncio


 


  ACESSOS AO PORTAL


    FOTO

 


A PARÁBOLA DO 

SEMEADOR

 

 

Naquele mesmo dia Jesus saiu de casa e se sentou à beira do lago.  Uma grande multidão se juntou ao seu redor. Havia tanta gente que Jesus entrou num barco e se sentou; e toda a multidão permanecia de pé na praia. Jesus lhes ensinou muitas coisas por meio de parábolas [a]. Ele dizia:

—Certo homem saiu para semear. 4 Enquanto semeava, uma parte das sementes caiu à beira do caminho e os pássaros vieram e as comeram.  Outra parte caiu no meio de pedras, onde havia pouca terra. Essas sementes brotaram depressa pois a terra não era funda, mas, quando o sol apareceu, elas secaram, pois não tinham raízes.  Outra parte das sementes caiu no meio de espinhos, os quais cresceram e as sufocaram. 8 Uma outra parte ainda caiu em terra boa e deu frutos, produzindo 30, 60 e até mesmo 100 vezes mais do que tinha sido plantado.  Quem pode ouvir, ouça.

Para que servem as parábolas

 Os discípulos de Jesus, então, se aproximaram dele e lhe perguntaram:

—Por que o senhor ensina o povo por meio de parábolas?

 E Jesus lhes respondeu:

—Somente a vocês é dado o privilégio de conhecer as verdades secretas do reino do céu e não aos outros.  Pois quem tem, receberá ainda mais e terá em abundância. Mas quem não tem, até o que tem lhe será tirado.  E é por isto que ensino o povo por meio de parábolas: Eles olham, mas não vêem; ouvem, mas não entendem.  Portanto, por intermédio deles acontece o que disse o profeta  Isaías:

“Vocês ouvirão mas, mesmo ouvindo, não conseguirão entender;

vocês olharão mas, mesmo olhando, não conseguirão ver.

 Isto acontece pois o coração deste povo está endurecido.

Eles taparam os ouvidos e fecharam os olhos.

Se não fosse assim, eles poderiam ver com os olhos,

ouvir com os ouvidos e entender com o coração,

e se voltariam para mim e eu os curaria”.

 —Mas felizes são os seus olhos, pois eles podem ver; e os seus ouvidos, pois eles podem ouvir.  Digo a verdade a vocês: Muitos profetas e homens justos desejaram ver as coisas que vocês vêem, mas não viram. Eles desejaram ouvir o que vocês ouvem, mas não ouviram.

Jesus explica a parábola do semeador

 —Ouçam o que a parábola  daquele que semeia quer dizer.  A semente que caiu à beira do caminho representa a pessoa que ouve a mensagem a respeito do reino, mas não a compreende, e Satanás então vem e tira as coisas que foram semeadas em seu coração.  A semente que caiu no meio de pedras representa a pessoa que ouve a mensagem a respeito do reino e a aceita imediatamente e com muita alegria.  Mas, como não tem raiz, não dura muito tempo. Assim que encontra dificuldades ou que é perseguida por causa da mensagem, abandona a sua fé.  A semente que caiu no meio de espinhos representa a pessoa que ouve a mensagem a respeito do reino mas é sufocada pelas preocupações com as coisas desta vida e pela ilusão das riquezas. Essa pessoa não produz nenhum fruto.  Mas a semente que caiu em terra boa representa a pessoa que ouve a mensagem e a compreende. Essa pessoa cresce e produz muitos frutos, algumas vezes trinta, outras sessenta e outras ainda cem vezes mais.


       ⇐ Voltar ao Início 

foto
 
"MINHAS PALAVRAS
NÃO PODEM ESPERAR"
Nossa razão de existir como um portal de divulgação

 

Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará.

Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.

Porque ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa.

Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel.

Não terás medo do terror de noite nem da seta que voa de dia,.

Nem da peste que anda na escuridão, nem da mortandade que assola ao meio-dia.

Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas não chegará a ti.

Somente com os teus olhos contemplarás, e verás a recompensa dos ímpios.

Porque tu, ó Senhor, és o meu refúgio. No Altíssimo fizeste a tua habitação.

Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda.

Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos.

Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não tropeces com o teu pé em pedra.

Pisarás o leão e a cobra; calcarás aos pés o filho do leão e a serpente.

Porquanto tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pô-lo-ei em retiro alto, porque conheceu o meu nome.

Ele me invocará, e eu lhe responderei; estarei com ele na angústia; dela o retirarei, e o glorificarei.

Fartá-lo-ei com longura de dias, e lhe mostrarei a minha salvação

Salmos 91:1-16

 

 

⇐ Voltar ao Início